anúncio

Saúde de verdade e maior longevidade para o seu cão e gato

Medicina veterinária integrativa: o caminho para a construção de uma saúde ótima para seu peludo!

Medicina Veterinária Integrativa: O Caminho Para A Construção De Uma Saúde Ótima Para Seu Peludo!

A saúde sustentada geralmente envolve uma abordagem combinada – algo além de um exame e uma prescrição. Para ser um veterinário eficaz, é necessário ver o animal, não apenas a doença que ele apresenta; construir uma base de saúde, não apenas erradicar uma doença após a outra. Essa é a verdadeira fundação da medicina. A medicina veterinária ocidental convencional, embora certamente útil, nos treina a procurar o bulbo mágico – geralmente uma pílula ou cirurgia.

Barbara Royal,médica veterinária integrativa

Nick era um lindo cão SRD. Muito alegre e brincalhão, gostava de interagir com todos: adultos, crianças, outros cães. Ele era a alegria da casa. Sua família o tratava muito bem: ele podia dormir na cama de quem quisesse, frequentava creche, se alimentava com ração premium da marca mais cara. Tomava banho no pet shop semanalmente e tinha todas as vacinas em dia. Para evitar pulgas e carrapatos, Nick contava com um antipulgas de marca muito recomendada.

Todo esse cuidado consumia uma parte significativa do orçamento da família. Mas isso não importava, pois ele era muito amado. Mais do que isso. Ele era parte da família.

Entretanto, certo dia, Nick começou a ter convulsões. Ficou apático, já não era o mesmo cãozinho alegre e brincalhão. Por conta desse quadro, Nick começou a tomar anticonvulsivos, e, embora as crises tivessem melhorado, sua apatia se intensificou. Para piorar, começou a comer muito mais do que antes, já não brincava mais (embora ainda fosse jovem). Como consequência da maior ingestão de comida e falta de atividade física, Nick engordou, o que acarretou outros problemas de saúde: osteoartrite e hipertensão. Hoje, ele tem que tomar uma série de medicamentos, e aquela alegria e jovialidade que tinha perderam-se. Já não tem a mesma qualidade de vida.

medicina veterinária integrativa
Segundo a veterinária integralista Barbara Royal, ao querer apagar um incêndio atrás do outro com medicamentos, nos distanciamos do real problema que acomete nossos pets.

Tratamentos convencionais não vão à raiz do problema. E ainda podem piorar a saúde geral do pet

Embora essa seja uma história de ficção, ela serve para ilustrar que a adoção de tratamentos exclusivamente tradicionais podem não ser muito eficientes para cuidar da saúde do seu cão (ou gato). Como diz a veterinária integralista Barbara Royal, ao querer “apagar um incêndio atrás do outro”, muitas vezes acabamos por não identificar os fatores que estão por trás de um sintoma. Com isso, nunca se chega à raiz do problema, e o animal fica dependente de medicamentos que têm em contrapartida efeitos colaterais, resultando em mais medicação para controlar esses efeitos indesejados. E assim por diante.

Não se trata, entretanto, de demonizar, e muito menos banir a medicina tradicional. A proposta é integrar esta abordagem a tratamentos ditos alternativos ou complementares, quando estes se comprovarem eficazes. Mas não só isso: trata-se de ver o indivíduo como um todo, seus hábitos alimentares, seu comportamento, como é sua rotina, a dos seus tutores etc. É assim que funciona a medicina veterinária integrativa. Ela combina o que há de melhor da alopatia (tratamento convencional), com tratamentos “alternativos”, sempre cuidando dos animais na sua totalidade. E individualidade.

medicina veterinária integrativa

O perigo do uso excessivo de medicamentos para a saúde do seu cão ou gato

Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que os medicamentos alopáticos (tradicionais) são essenciais para cuidar da saúde de um indivíduo. Ainda bem que temos esses medicamentos, ainda bem que evoluímos para combater infecções, prevenir doenças, salvar a vida do animal numa emergência.

Por exemplo, se um cão é atingido por um carro e tem um inchaço agudo no cérebro, ele vai precisar de um anti-inflamatório esteroide para controlar rapidamente a lesão, e evitar que ele morra. Isso é fantástico.

Entretanto, os anti-inflamatórios esteroides, se forem usados em excesso e indiscriminadamente, podem causar uma série de efeitos colaterais indesejados, e também mascarar o real problema de saúde do animal.

O que são anti-inflamatórios esteroides

Anti-inflamatórios esteroides são medicamentos que mimetizam hormônios fabricados pelas glândulas suprarrenais e têm como principal função a redução da inflamação. Na prática veterinária, esses medicamentos podem ser usados para tratar inflamação decorrente de alergias, por exemplo. Eles tratam uma série de “ites”: dermatite, enterite (inflamação no intestino delgado), bronquite, rinite. Tratam apenas os sintomas, e seu uso em longo prazo pode trazer muitos efeitos colaterais.

O principal efeito colateral dos anti-inflamatórios esteroides é a supressão do sistema imunológico. Por essa razão, o animal terá muita dificuldade em lidar com infecções secundárias. Além disso, o uso prolongado desse medicamento pode causar problemas intestinais, com úlcera, letargia, perda de pelos, pancreatite, entre outros males.

E, como os anti-inflamatórios tratam apenas dos sintomas, eles podem acabar mascarando o real problema, se a causa não for devidamente investigada.

Medicamentos não esteroides

Anti-inflamatórios não esteroides são medicamentos usados para o alívio da dor, inflamação e para baixar a febre. É o tipo de remédio que temos conosco sempre. Em cães, eles são comumente prescritos para tratar sintomas da artrite. Entretanto, embora seja um grande aliado no alívio em alguns momentos específicos, o uso contínuo pode intoxicar o animal e causar danos graves ao organismo do seu pet.

Como esses medicamentos funcionam

Os anti-inflamatórios não esteroides inibem uma enzima pró-inflamatória (que promove inflamação) chamada protaglandina, responsável pela manutenção da circulação sanguínea nos rins e importante componente da camada protetora do estômago. Os sintomas mais comuns do uso prolongado são: náusea, vômitos, perda de apetite, sangue nas fezes, letargia, entre outros.

Além disso, assim como muitos medicamentos, esse tipo de anti-inflamatório pode prejudicar (muito) rins e fígado. Por isso, como auxiliar em tratamentos mais longos (como artrite), os veterinários integrativos evitam seu uso.

Anticonvulsivos

Como o próprio nome já diz, os anticonvulsivos são medicamentos utilizados para evitar ou minimizar episódios convulsivos. Sintomas de que seu bichinho está convulsionando variam entre uma contração imperceptível e até a perda de consciência. Para quem tem um pet com crises frequentes, é muito angustiante e estressante. É como se houvesse um “curto circuito” no cérebro do animal.

Em geral, é prescrito o uso de fenobarbital para controlar as crises. Este medicamento atua diminuindo e estabilizando a atividade dos neurônios no cérebro. Se este uso for absolutamente necessário, é importante que o tutor tenha conhecimento dos possíveis efeitos colaterais. Entre os sintomas comuns, estão letargia, perda de energia, aumento da fome . Diga-se de passagem, combinação perfeita para o surgimento de animal obeso.

Além disso, o uso contínuo pode prejudicar o fígado, por isso, veterinários aconselham exame de sangue periódico para verificar a função hepática do animal.

Antibióticos

Antibióticos são medicamentos utilizados para enfrentar uma infecção bacteriana no organismo. Esses fármacos fizeram toda a diferença (e ainda fazem, claro) para salvar a vida dos seres humanos e animais. Eles são uma grande conquista da ciência.

Entretanto, o uso indiscriminado de antibióticos, muitas vezes sem qualquer necessidade, colabora para a criação das superbactérias. Aquelas mais resistentes aos antibióticos. E isso é péssimo, pois chegará um momento em que não haverá mais novos medicamentos para combater infecções causadas pelas novas cepas.

Os antibióticos também causam estragos no sistema digestivo de cães e gatos, porque combatem tanto as bactérias “ruins”como as “boas” presentes no intestino. E estas são essenciais para a produção de enzimas e hormônios. Cães e gatos que necessitam tomar antibióticos precisam repor o trato digestivo com probióticos antes e depois do tratamento.

Como estes medicamentos fazem um “estrago” no intestino, os efeitos colaterais mais comuns são diarreia, má absorção de alimentos e síndrome do intestino permeável.

A não ser que seja uma emergência, antes de prescrever esse tipo de medicamento, veterinários integrativos aconselham fazer uma cultura bacteriana e teste de sensibilidade aos antibióticos . Dessa forma, podemos saber qual o melhor antibiótico para dar ao animal.

medicina veterinária integrativa

Antipulgas disponíveis no mercado: será que eles prejudicam somente pulgas e carrapatos?

Pulgas e carrapatos são muito desagradáveis para seu cão ou gato. As pulgas, apesar de serem “inofensivas”, causam muito desconforto e irritação. Já os carrapatos podem causar doenças graves. Por isso, é importante manter seu bichinho bem longe dessas pragas.

E para que tanto tutor quanto o pet fiquem tranquilos, damos a eles pesticidas químicos. Isso mesmo. Antipulgas são pesticidas químicos, porque seus ingredientes ativos contém esse tipo de substância.

Grosso modo, os antipulgas envenenam pulgas e carrapatos e destroem seu sistema nervoso. Com isso, eles morrem. Mas os princípios ativos desses produtos também podem afetar a saúde do seu cãozinho ou gatinho, e causar problemas neurológicos, como tremores, perda de controle muscular, e até convulsões.

Felizmente, existem opções eficazes, naturais e seguras para deixar seu pet livre dessas pragas. Confira neste artigo.

medicina veterinária integrativa

A importância da saúde preventiva

Não se pode falar em saúde preventiva sem falar de alimentação. Ela é a base da saúde de cães e gatos. Infelizmente, tivemos o hábito de alimentar nossos pets com rações ultraprocessadas nos últimos sessenta anos.

Por que dizemos”infelizmente”? Porque são alimentos pobres, nutricionalmente falando, tanto para cães quanto para gatos. Além disso, por causa da maneira como são produzidos, podem causar uma série de problemas de saúde, que vai desde uma pequena alergia até câncer. (Por favor, é imprescindível que você leia este artigo, em que aprofundamos o tema das rações ultraprocessadas.).

Portanto, quando tomamos a decisão de alimentar nossos pets de modo mais natural e mais apropriado às suas espécies, damos um enorme passo para a construção de uma boa base de saúde. Sim, estamos falando de alimentação natural.

Outro fator importante é, como já foi dito, minimizar o uso de fármacos. Isso quer dizer usar quando for necessário.

Há vários tratamentos que, dependendo do caso e da situação, podem diminuir ou até evitar o uso de medicamentos alopáticos. Acupuntura, a homeopatia, a quiropraxia, terapia com ervas, o uso suplementos alimentares etc. Também temos o Reiki e a terapia floral para cuidar de cães e gatos com problemas de comportamento e emocionais. Vamos falar mais sobre alguns deles a seguir.

medicina veterinária integrativa

Terapias alternativas ou complementares

A palavra “alternativa” serve para denominar toda prática que esteja fora da chamada medicina tradicional. Algumas delas não têm sua eficácia comprovada nos moldes científicos atuais. Isso porque elas atuam no campo energético sutil do indivíduo, e nossa visão – ainda predominantemente materialista – nos impede de avaliá-las de modo satisfatório. No entanto, cada vez mais essas terapias são procuradas. É o caso da Homeopatia, uma terapia criada há mais de 200 anos, e que foi reconhecida pelo Conselho Nacional de Medicina como especialidade médica em 1980.

Homeopatia

Muito se fala sobre a Homeopatia, que é apenas efeito placebo, não havendo realmente nenhuma substância nos remédios, pois a substância ativa foi agitada e diluída muitas vezes. Para muitos, os medicamentos homeopáticos consistem apenas de água ou açúcar. É curioso, pois cães e gatos não são suscetíveis a efeito placebo, claro. Então, como poderia ser explicado o fato de que a Homeopatia “funciona” para animais?

E há muitos problemas de saúde que a homeopatia pode tratar, tais como alergias, dermatites, diabetes, problemas de comportamento, epilepsia etc. Ela também atua como terapia complementar em pets que estão em quimioterapia, por exemplo.

Uma característica importante na homeopatia é que ela trata o indivíduo como um todo, e dá subsídios para que o próprio organismo se cure sozinho. O que não acontece na alopatia (medicina tradicional), que vê apenas o órgão doente, e muitas vezes acaba deixando para trás o real motivo da doença, ao privilegiar o tratamento dos sintomas.

Acupuntura

A acupuntura é uma técnica milenar chinesa que consiste na inserção de finas agulhas de metal em pontos estratégicos do corpo, por onde passam os meridianos. Segundo a explicação oriental, o estímulo por agulhas leva ao reequilíbrio da energia vital no corpo, chamada Qi. Estudos mostram que a inserção das agulhas libera certos neurotransmissores e também estimula a circulação sanguínea.

Assim como a homeopatia, a acupuntura é alvo de ceticismo. Mas, a despeito disso, essa prática ocupa cada vez mais espaço no mundo ocidental. Quem já se tratou com um profissional competente sabe que ela é eficaz. E, além do alívio de dores, a acupuntura também pode tratar dos seguintes problemas que acometem cães e gatos:

  • musculoesqueléticos, como artrite
  • respiratórios, como asma felina
  • de pele, como dermatite alérgica
  • problemas gastrointestinais, como diarreia

Fitoterapia

A fitoterapia consiste no uso de plantas com propriedades terapêuticas ativas. Há uma infinidade de problemas de saúde que as plantas podem tratar. Dores e inflamações causadas por artrite, problemas de pele, problemas digestivos, questões do trato urinário, entre outros. (veja neste artigo como as ervas podem ajudar seu gatinho).

Podemos usar as ervas terapêuticas frescas ou secas, como loções ou cremes, cápsulas, extrato líquido. Porém, somente um veterinário pode indicar o tratamento adequado. O uso de ervas pode ser prejudicial à saúde do seu pet, se for você resolver dar por sua conta. Não faça isso.

Além de tratar alguns males, o uso de ervas pode ser um ótimo aliado na prevenção de doenças, fortalecendo a saúde do seu cão ou gato. A fitoterapia também pode substituir o uso de medicamentos alopáticos, dependendo do caso.

Aqui na PetMe você terá acesso a várias dicas de ervas, suas propriedades, aplicações para se familiarizar com o assunto. Não deixe de acessar nosso site. Sempre teremos uma novidade para você.

Bem, apresentamos três modalidades de tratamentos holísticos. Mas, como falamos antes, existem outros que a medicina veterinária integrativa utiliza em seus protocolos de tratamentos, tais como o uso de nutracêuticos (alimentos funcionais),massagem, quiropraxia, nutrologia. Aqui no site vamos falar também de Florais e Reiki, duas modalidades terapêuticas que podem ser muito úteis para tratar de questões emocionais, e também como auxiliar em tratamentos convencionais.

medicina veterinária integrativa

Medicina veterinária integrativa em ação: possíveis tratamentos para epilepsia e artrite caninas

Agora que você já tem um ideia dos perigos do uso indiscriminado de medicamentos, compreendeu a importância da saúde preventiva e conheceu algumas modalidades holísticas, vamos ver como pode ser um tratamento veterinário integrativo, usando o exemplo de dois males que acometem os cães com frequência: epilepsia e artrite.

Importante! Que fique claro que cada caso é um caso. Cada protocolo de tratamento depende de uma série de fatores. Portanto, os textos a seguir não pretendem ser, EM HIPÓTESE ALGUMA, uma indicações de tratamento. O intuito aqui é dar a você uma ideia mais clara de como os veterinários integralistas podem atuar.

Epilepsia em cães

Antes de mais nada, quando o tutor leva seu cão a um veterinário integrativo, reportando episódios convulsivos, uma das primeiras providências é eliminar possíveis causas externas que estejam provocando os episódios. Muitas vezes, essas causas estão no consumo de rações ultraprocessadas, que contêm aditivos, conservantes e outros produtos químicos aos quais o pet pode ser sensível. Outra providência é tentar eliminar ao máximo o uso de toxinas no ambiente em que seu peludo vive. Isso inclui o uso de antipulgas, que são inseticidas químicos que previnem pulgas e carrapatos. Segundo alguns neurologistas veterinários, o uso desse tipo de produto diminui o limiar de convulsão.

Limiar convulsivo: todos nós, humanos e animais, temos um limiar convulsivo, ou seja, todos estamos sujeitos a ter uma crise convulsiva. Por isso, quanto mais alto o limiar (limite), menos chances teremos de convulsionar. Alguns medicamentos, produtos químicos e alimentos têm a capacidade de diminuir o limiar de convulsão.

Dependendo do grau e da frequência dos episódios, os veterinários integrativos podem adotar tratamentos que variam entre o uso exclusivo de terapias holísticas, como homeopatia, acupuntura, uso de ervas, uso de suplementos, mudança de dieta, até a combinação destas tratamentos alternativos com o uso de medicamentos anticonvulsivos em menor dosagem.

medicina veterinária integrativa

A abordagem veterinária integrativa resumida em cinco pontos

A dra. Barbara Royal, médica veterinária integrativa e autora do livro The Royal Treatment (sem título em português), acredita que abordagem integrativa consiste em cinco pontos:

  • Dê boa dieta, adequada à espécie
  • Avalie os sistemas subjacentes que apoiam a saúde do animal
  • Verifique todas as funções do corpo
  • Avalie as funções mentais e físicas
  • Use medicamentos farmacêuticos ou procedimentos invasivos apenas quando todas as outras opções estiverem esgotadas ou em caso de emergência

A propósito, em seu livro, a dra Barbara Royal conta um atendimento que fez a Maya, uma jovem labrador que foi diagnosticada com crises convulsivas. Aparentemente, não havia nenhum motivo externo para crises. Mas foi só a veterinária mudar para uma dieta livre de grãos que sua atividade convulsiva diminuiu significativamente. Mas ela ainda apresentava convulsões periodicamente.

Sua tutora descobriu, então, que toda vez que Maya convulsionava, ela tinha ingerido milho,que encontrava nas sobras das refeições de família. A partir dessa descoberta, a tutora aboliu o consumo de milho dentro da casa e Maya ficou livre das convulsões.

Artrite canina

A artrite é uma doença que atinge muitos cães. Ela normalmente se manifesta depois da fase adulta do animal. Entretanto, veterinários integrativos são unânimes em dizer que o excesso de peso desempenha um importante papel no desenvolvimento da doença.

Por isso, se um cão tem o diagnóstico de artrite, o primeiro passo é cuidar do peso. A veterinária integrativa Karen Becker nos explica que o excesso de peso sobrecarrega as articulações, o que causa a perda da cartilagem em longo prazo.

Segundo a dra. Becker, é preciso também adotar de uma dieta anti-inflamatória, Essa dieta consiste no consumo de alimentos biologicamente apropriados à espécie (no caso, canina), de preferência crua ou levemente cozida, orgânicos e não transgênicos.

Outro consenso entre integralistas é o tratamento com acupuntura. Ela não só alivia a dor decorrente da artrite, como também promove o aumento da circulação dos músculos e articulações. Exercícios leves (geralmente na água), e fisioterapia trabalham para manter músculos, tendões e ligamentos fortes e melhorar a mobilidade e amplitude do movimento.

Além disso, é muito comum o uso de suplementos, como glucosamina, para retardar o processo de degeneração da cartilagem e garantir a mobilidade dos pets.

Resumindo…

A mudança de dieta, acupuntura, fisioterapia e exercícios e a adição de suplementos não garantem que o cão esteja livre de tomar algum medicamento alopático para a dor. Depende muito, dizem os especialistas, do estágio da degeneração das articulações. Para a dra. Karen Becker, se a dor for de leve a moderada, algumas alternativas naturais podem reduzir ou eliminar o uso de analgésicos. Suplemento de ômega-3, ubiquinol, cúrcuma, alguns remédios homeopáticos, Boswellia serrata e garra do diabo estão entre as opções de tratamento para o alívio da dor.

A dra. Becker ainda salienta que é muito importante observar sempre o cão, seus movimentos para que a artrite seja diagnosticada no estágio inicial. Também incentiva os tutores a levarem seus pets para um ckeck-up pelo menos duas vezes por ano, pois a artrite é uma doença degenerativa, e o protocolo de tratamento que servia há seis meses talvez não tenha um resultado tão satisfatório hoje.

medicina veterinária integrativa

Conclusão

“Por que somos tão fascinados por animais? Porque eles trazem a natureza para nossas salas de estar. Queremos nos reconectar com nossas raízes e aprofundar nosso senso de onde viemos. Colhemos muitas recompensas com os animais que cruzam nosso caminho. Ganhamos insights sobre o inexplicável de suas curtas vidas – insights sobre alegria, amor, controle, surpresa, jogo, aceitação, dar, deixar ir e tristeza. Quer sejam animais de estimação permanentes em nossas casas ou breves encontros na natureza, os animais nos transportam com sua beleza.

Muitas pessoas têm histórias fascinantes sobre como encontraram seus animais de estimação – ou, mais frequentemente, como seus animais de estimação os encontraram. Pode parecer que eles precisam de nós, mas pode ser o contrário. Eles são mais do que apenas um nariz molhado e um pouco de pelo. A pura força de sua natureza animal pode trazer à tona nossa humanidade e, ao mesmo tempo, preservar um pouco o lado selvagem em nós também.”

Barbara Royal, veterinária integrativa

Para finalizar nosso artigo (e obrigado se você leu até aqui!), deixamos mais um texto da veterinária Barbara Royal, extraído de seu livro The Royal Treatment. É importante lembrarmos de que somos também parte da natureza, nós e nossos amados peludos. Infelizmente, diferentemente dos nossos afetos humanos, eles nos contemplam com sua presença por bem menos tempo do que gostaríamos. Mas podemos, por meio de acesso à informação confiável e escolhas conscientes, tê-los conosco por mais tempo e com mais qualidade de vida. Aqui você terá a informação necessária para fazer a melhor opção em favor da vida e da saúde do seu amado cão e gato.

Aviso de segurança:A PetMe é um site meramente informativo. Portanto, todas as informações, dicas e sugestões nele contidas não substituem, em absoluto, a consulta a qualquer especialidade médico-veterinária.

Referências

Este artigo foi escrito com base nos seguintes materiais:

Royal, Barbara. The Royal Treatment. Edição Kindle.

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2018/11/11/flea-tick-medication-health-risks.aspx

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2019/04/14/overuse-of-antibiotics-in-veterinary-applications.aspx

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2011/11/03/treating-pets-seizure-disorders.aspx?v=1615671956

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2017/04/01/7-signs-of-pet-arthritis.aspx

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2010/08/17/stop-using-pet-steroids-until-you-read-these-disturbing-truths.aspx

https://www.veterinarypracticenews.com/beyond-the-belly-the-health-consequences-of-pet-obesity/

https://www.fda.gov/animal-veterinary/cvm-updates/animal-drug-safety-communication-fda-alerts-pet-owners-and-veterinarians-about-potential-neurologic

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2017/06/29/pets-acupuncture-chiropractic-care.aspx

https://vcahospitals.com/know-your-pet/veterinary-herbal-therapy

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2020/11/09/managing-seizures-in-dogs.aspx

https://healthypets.mercola.com/sites/healthypets/archive/2020/08/02/osteoarthritis-in-dogs-and-cats.aspx

Alimentação Natural

A Prevenção é sempre o melhor remédio. E a Nutrição é a base de uma ótima saúde. Entenda como Alimentação Natural pode desempenhar um papel fundamental na prevenção das doenças que tiram o sono de nós, tutores de cães e gatos.

Medicina Veterinária Integrativa

Como tutores de cães e gatos, devemos garantir que nossos pets tenham acesso ao melhor atendimento médico veterinário possível, caso tenha algum problema de saúde. E a abordagem que integra Tratamentos Convencionais com Terapias Alternativas pode ser mais efetiva e trazer mais benefícios para a saúde integral de nossos companheiros.

anúncio

INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E
GARANTA CONTEÚDOS GRATUITOS INCRÍVEIS!

não se preocupe, não vamos encher sua caixa de e-mail, tb não gostamos disso

comentários dos amantes
e tutores

Curabitur arcu erat, accumsan id imperdiet et, porttitor at sem. Mauris blandit aliquet elit, eget tincidunt nibh pulvinar a. Cras ultricies ligula sed magna dictum porta.

João Caiado

anúncio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email